Plastic

março 03, 2017

(português em baixo)

Zero Waste is a goal that is both pragmatic and visionary, to guide people to emulate sustainable natural cycles, where all discarded materials are resources for others to use. Zero Waste means designing and managing products and processes to reduce the volume and toxicity of waste and materials, conserve and recover all resources, and not burn or bury them. Implementing Zero Waste will eliminate all discharges to land, water, or air that may be a threat to planetary, human, animal or plant health.
Definition of Zero Waste as adopted by the Zero Waste International Alliance

I am now starting my way to a zero waste lifestyle. The hardest part is the fact that I don't live alone, which it's makes harder if your roommates don't follow a similar lifestyle. But I guess that's the same for everything.
I decided today to talk a little more about zero waste. If you're like me, there's a lot that you don't understand about this lifestyle. I had to read so much, watch a lot of youtube vídeos, and still so far away from here I want to be. It's a long road, that's true, but we should and must to everything to try to save our planet.

The very first thing I've done, since decided to following the zero waste lifestyle, was going zero plastic. I stopped to buy in bulk with plastic (I've always bought in bulk vegetables and fruits); stop bought plastic straws; never asked for plastics bags at the supermarket; Didn't bought any more product that came packed in plastic.

Plastic is undoubtedly the biggest enemy of our planet, as far as garbage is concerned. It has a huge life, although it can be reused, it never has a very great durability;it's also a material with potential negative consequences for health; The worst thing is that it takes years to degrade and disappear. And I'm not talking about 5 or 10 years. I am talking about 100 years, and more.

But first, what is plastic? It's derived from oil, natural gas and coal. In order to achieve its level flexibility there are certain chemical additives used in the manufacturing process. Some of the more familiar ones include BPA, BPS, and phthalates. All of which, are endocrine interrupters. They have been linked to reproductive abnormalities, impaired brain function, cancer, diabetes, obesity, early puberty, genetic and neurological damage to babies and toddlers, miscarriage, and resistance to chemotherapy.

We’re also seeing an onslaught of obese animals in the wild. Their diet hasn’t changed. You know what changed? Their level of interaction with plastic. Microbeads and plastic fill waterways; litter and plastic pollution are becoming a huge problem. Hundreds of animals are dying because they're actually eating plastic. At this moment, lot of fishes that are fished or appear dead has tons of plastic in their stomach. When you eat fish, there's a big probability you're eating plastic too.

Not to mention, that plastic uses vital non-renewable natural resources that could be put to better use elsewhere. 10% of our oil production is for plastic. The manufacturing process uses tons of energy, pollutes the air with incineration and plastic particles, and exposes workers to toxic chemicals. Most of the plastic we consume will wind up in a landfill or in the ocean. It will never biodegrade. It will only break down into smaller pieces making it even more of a hazard for wildlife and for us.
There are plastic particles in the air we’re breathing right now.

This is the world we're living right now. There is a great need to cut immeasurably to say no to plastic, for the good of our planet, for our animals and for us, for our health!

Opt for things in paper, cardboard, aluminum cans, or glass. Look for natural fabrics like wool, cotton, hemp, silk, and linen.
When you purchase something, you’re effectively saying, “Yes, make more of this.” We need to start voting with our money. The power is in our hands. This apllies to everything!!

We can have a healthier ocean, healthier wildlife, and a healthier us.

We can make a difference; let’s say no to plastic. 

A.


-
Decidi, este ano, tentar implementar na minha vida o movimento zerowaste. A parte mais difícil é o fato de eu não moro sozinha, o que torna sempre tudo mais difícil.
Eu no inicio não sabia nada do assunto. Vi por acaso uma palestra no Tedx, e foi ai que resolvi pesquisar mais sobre isto. É um longo caminho, é verdade, mas está nas nossas mãos tentar salvar nosso planeta. 

A primeira coisa que fiz, desde que decidi seguir o estilo de vida de zero waste, foi deixar de comprar plástico, ou trazer mais plástico para casa. Eu parei de usar sacos de plástico quando comprava a granel (fruta e legumes, principalmente), parei de comprar palhinhas, parei de aceitar sacos de plástico no fim das compras; deixei de comprar outro tipo de produtos que viesse somente embalado em plástico. Isto, acabou por me trazer um estilo de vida, nomeadamente alimentação, ainda mais saudável, pois diminui bastante a quantidade de produtos industrializados que compro.

O plástico é, sem dúvida, o maior inimigo do nosso planeta, no que diz respeito ao lixo. Tem uma vida grande, embora possa ser reutilizada, nunca tem uma grande durabilidade; É também um material com potenciais consequências negativas para a saúde; A pior coisa é que leva anos para se degradar e desaparecer. E eu não estou a falar de  5 ou 10 anos. Estou a falar de décadas, as vezes centenas de anos.

Mas primeiro, o que é plástico? É derivado de petróleo, gás natural e carvão. A fim de alcançar a sua flexibilidade de nível, existem certos aditivos químicos utilizados no processo de fabrico. Alguns dos mais familiares incluem BPA, BPS e ftalatos. Todos os quais são interruptores endócrinos. Estes aditivos já foram relacionados com anormalidades reprodutivas, função cerebral prejudicada, cancro, diabetes, obesidade, puberdade precoce, danos genéticos e neurológicos em bebes e crianças, aborto espontâneo e resistência à quimioterapia.
Isto também afeta muito os animais. Principalmente animais aquáticos. Os oceanos estão carregados de plástico, que acabam por ser ingeridos pelos peixes, e outros seres marinhos. Comem plástico, ficam presos ou feridos em plástico (isto não ocorre só pelo plástico mas pela poluição do oceano, no geral).
Há centenas de animais que estão a morrer porque estão realmente a comer plástico. Neste momento, muitos peixes que são pescados ou aparecem mortos têm toneladas de plástico no estômago. Entao quando algum de vocês come peixe, há uma grande probabilidade de estar lá plástico também.

 Para não mencionar, que o plástico usa recursos naturais não-renováveis ​​vitais que poderiam ser usados ​​em qualquer outro lado. 10% da nossa produção de petróleo é para o plástico. O processo de fabricação usa toneladas de energia, polui o ar com incineração e partículas de plástico e expõe os trabalhadores a produtos químicos tóxicos. A maioria do plástico que consumimos vai acabar num aterro sanitário ou no oceano. Nunca será biodegradável. Ele só se irá quebrar em pedaços menores tornando-o ainda mais de um perigo para a vida selvagem e para nós. Existem partículas de plástico no ar que estão respirando agora.

 Este é o mundo no qual vivemos agora. Há uma grande necessidade de cortar o consumo do plástico, para o bem do nosso planeta, para os nossos animais e para nós, para a nossa saúde!

Opta por coisas em papel, papelão, latas de alumínio ou vidro. Tenta diminuir a quantidade de plástico que levas para casa, e quando o fizeres sê consciente. Usa e reusa as vezes que forem possíveis, e recicla depois. Não é a melhor solução, mas é melhor do que deixar que vá parar aos nossos oceanos. Sê um consumidor mais consciente.

Quando nós compramos algo, estamos a dizer “sim, faça mais disso que eu vou comprar”. Estamos a incentivar essa industria. Precisamos de começar a votar com o nosso dinheiro. Se não usarmos o nosso dinheiro nisso, vai haver repercussões para essas industrias, e começaram a pensar em alternativas.  

Nós podemos ter um oceano mais saudável, uma vida selvagem mais saudável, e um corpo mais saudável.

(Vê os links que estão acima, depois da versão em inglês, para que possas ver outros posts que já escrevi sobre este tema).

A.

You Might Also Like

0 comentários